8 de jul de 2009

Monotipia e Marmorização


♣ A boa técnica da marmorização consiste em dispor uma larga superfície de água, seja numa bacia ou num plástico sobre quatro ripas de madeira do tamanho desejado, jogando sobre sua superfície tinta a óleo, tinta esmalte ou qualquer outra diluída por solvente ou querosene, misturando levemente até obter o efeito desejado e aplicar uma folha de papel. Cuidar para que não fiquem bolhas, batendo levemente sobre a folha ou usando tinta bem diluída, retirar a folha sem virar, deixar a água escorrer, virar e por o papel para secar. O princípio é simples, como qualquer boa técnica.

♣ Outros detalhes podem ser acrescentados para obter diferentes efeitos. Por exemplo, utilizando tintas diluídas com querosene, tiner ou aguarraz para que se misturem menos; usando tintas bem diluídas ou puras para obter texturas diferentes; misturando com um pau, soprando, "penteando" com um pente de dentes bem espaçados ou de agulhas; espessando a água com maisena para controlar o movimento das tintas; adicionando detergente à água para obter pequenos pontos de tinta. Ás vezes, até o vento soprando sobre a superfície da tinta, espalhando-a com delicadeza, forma uma textura suave e dá um efeito bonito.

♣ Se as primeiras ficarem estranhas, tente mais, invente mais. Para obter um efeito pré-determinado, erra cinco. Qualquer que seja o resultado, é sempre aproveitável para alguma finalidade. Nunca fiz uma folha que não fosse possível usar em algum livro. É claro que algumas ficam estranhas, outras ficam tão perfeitas que dá dó utilizar. Mas cada uma tem seu valor.


♣ Um PULO DO GATO: com a tinta quase seca, espalhe TALCO e esfregue com um pano macio com força em círculos, para suavizar os excessos e preencher os vazios.

♣ Uma variação da marmorização em papel que tenho utilizado com sucesso, é a marmorização sobre tela. Faço o tecido com tinta vinil ou latex da forma usual e marmorizo nela, resultando um material perfeito para ser utilizado como “espelho” da capa, ou seja, aquela parte externa do livro entre os cantos e a lombada. Para livros grandes ou que serão muito manuseados, é material resistente e bonito.

♣ Agora, qual a finalidade do papel marmorizado. Sabemos sua função estética, mas qual seria sua utilidade prática?

♣ Uma: forma barreira natural contra traça, brocas e cupins, pragas que não devem gostar de comer tinta. Outra: impede que a primeira folha do livro, a "folha de guarda", sanfone ou engruvinhe, pois reforça o papel. E mais: esconde imperfeições de prensa, espátula, cola e qualquer outra resultante do trabalho do encadernador.

♣ A mais importante FUNÇÃO PRÁTICA do papel marmorizado nas guardas do livro é PROTEGER as folhas da ACIDEZ do papelão e da cola da capa. Se for usado papel em branco, as primeiras folhas do livro vão ficar amareladas, manchadas ou escurecidas.

O uso de substâncias exóticas, como carragenano, espessante para a água, permite o uso de tintas leves à base de água como guaches e até aquarelas. Mas essas tintas à base de água não garantem impermeabilidade e NÃO PROTEGEM as primeiras folhas do livro contra a ACIDEZ do papelão e da cola usada nas capas. É uma técnica muito usada na escola decorativa de encadernação, bastante difundida atualmente. Os resultados obtidos são quase figurativos, com efeitos que podem ser repetidos e não parecem MÁRMORE, como sugere a denominação da técnica em portugues e espanho. Creio que esses efeitos deveriam ser donominados monotipias ou gravuras decorativas em papel.


Seja o papier marble na Fraça, o marmoleado ou o papel al engrudo em espanhol, sua função prática deve estar acima dos efeitos decorativos, contudo sempre harmonizados com a estética da época em que o livro foi impresso e com seu conteúdo.

♣ Estava dando uma oficina no Centro de Criatividade do São Lourenço, quando o presidente da Fundação Cultural de Curitiba fez uma visita surpresa. Foi direto para o monte de papel marmorizado que estávamos fazendo e, antes de tocar nele, disse: "agora estão usando mármore para cortar o papel...?"

♣ Não pretendo que minhas marmorizações sejam gravuras, esse status fica para quem procura resultados artísticos, mas papel para usar em escala razoável no meu artesanato.



Suminagashi - Técnica com efeito figurativo, japonesa.

Monotipia clássica e belíssima, por Wagner Campelo


Minhas monotipias, óleo sobre papel 66X96 cm




Monotipias óleo sobre tela secando ao sol




Six, Monotipia estranha


Um comentário:

Lucia Sasaki disse...

Olá Pedro, agradeço sua postagem acerca de marmorização de papeis.
Aprendi bastante com ela: não sabia que, além da questão decorativa, havia a função proteção.
Tenho feito pesquisas a respeito de marmorização e comecei com tinta acrílica e água (como é feito na técnica suminagashi). Agora já sei que para proteger os livros, preciso aprender a fazer papel marmorizado com tinta a óleo.
Vivendo e aprendendo sempre.]
Muitíssimo obrigada!!

Lucia Sasaki
Guarulhos